Cancro da Mama: Uma Causa de Todos

Faz por estes dias um ano que me submeti a uma biópsia mamária. O meu “nódulo de estimação”, que supervisiono frequentemente e que me leva (não só por causa dele, mas também) a não falhar as consultas anuais de ginecologia e os exames da mama, tinha aumentado inexplicavelmente de tamanho e a minha médica achou que devíamos investigar através de uma biópsia.

Fiz o exame e fui-me preparando psicologicamente para o pior cenário. Pensei como iria dar a noticia aos meus pais, aos meus filhos e aos meus amigos. Tracei na minha cabeça um plano para a minha vida caso o resultado do exame fosse positivo para cancro. E enquanto esperava, levantei-me todos os dias à mesma hora de sempre e fui trabalhar todas as manhãs. À tarde, ensaiava para o concerto de Natal das Manhãs. Não contei nada aos meus colegas porque não queria que a nuvem negra pairasse sobre a equipa numa altura sempre tão importante das nossas vidas profissionais.

A poucos dias do Natal, a minha médica ligou-me a pedir para ir ao consultório dela porque já tinha o resultado. Felizmente, as noticias eram boas. O nódulo era benigno. Lembro-me de a minha médica respirar fundo e dizer-me “está tudo bem. Desapareça-me daqui e vá celebrar o Natal.” Eu também respirei fundo mas não esqueço a angustia da espera pelo resultado de um exame deste tipo.

Em Portugal, anualmente são detectados cerca de 6.000 novos casos de cancro da mama.

Desde 1986, que a Liga Portuguesa contra o Cancro promove um programa de rastreio a nível nacional, mas que não chega a todas as regiões do país.

É por isso de extrema importância que todos assinemos a petição “Pela Equidade no Acesso ao Rastreio, Diagnóstico e Tratamento das mulheres com Cancro da Mama”. A iniciativa pretende chamar a atenção da população para as desigualdades verificadas a nível nacional, tornar o acesso mais equitativo para todas as mulheres e sensibilizar para a importância do rastreio como forma de prevenir o Cancro da Mama.

Esta Petição, que será entregue na Assembleia da República em fevereiro de 2016, pretende atingir os seguintes objetivos:

1. O acesso equitativo ao programa de rastreio de base populacional do Cancro da Mama em todo o país;
2. A garantia de que, em casos de suspeita clinicamente demonstrada, exista acesso em tempo útil a um serviço hospitalar com capacidade de diagnosticar e tratar os doentes;
3. A garantia de acesso aos melhores tratamentos disponíveis, nomeadamente os mais inovadores e eficazes, nas mesmas condições que nos outros países da União Europeia e sem discriminação geográfica nacional. Isto inclui acesso a cirurgias, radioterapia e medicamentos de comprovada eficácia, conforme recomendações internacionais, dentro dos tempos clinicamente estabelecidos;
4. Garantia de que os doentes tenham acesso a toda a informação existente sobre o cancro, nomeadamente: hospitais, serviços, especialistas, medicamentos, meios complementares de diagnóstico, investigação científica, apoios sociais e toda aquela que julguem relevante ou importante para o seu caso particular;
5. Os cidadãos, doentes ou familiares possam ter voz activa nas decisões públicas sobre o Cancro.

Com a entrega da Petição, “a LPCC pretende que os deputados eleitos à Assembleia da República discutam o tema do Cancro da Mama, criem um grupo de reflexão sobre o Cancro em geral, em sede de Comissão Parlamentar de Saúde, e encontrem um consenso, produzindo uma recomendação ao Governo para que coloque a luta contra o Cancro uma prioridade nacional. O Cancro da Mama é um problema de Saúde pública e, enquanto instituição de apoio ao doente oncológico, queremos garantir que as mulheres de norte a sul do País têm os mesmos direitos”.

A petição pode ser assinada em www.ligacontracancro.pt

Eu assino! Assina tu também. Por ti, por mim, pela tua namorada, pela tua mulher, pela tua mãe, pela tua amiga, pela tua colega. Assina.

Obrigada.

4 Comments

  1. Fico feliz Vanda.
    Imagino o sofrimento, a angústia!
    Eu faço os exames todos os anos.
    Há uns anos suspeitavam que poderia ter cancro no colo do útero. Já era mãe na altura. Acho que não preciso explicar o que senti até saber que o resultado da biopsia deu negativo.
    Há 2 anos descobri que tenho um problema congénito no coração (acho que nasci com defeito de fabrico! ). Andei a tomar medicação mas as taquicardias tornaram-se frequentes. Resolvi fazer a ablação. Esta sexta feira.
    Por todas as causas, por todas as lutas, desejo tudo de melhor a quem passa por estas situações.
    Beijinhos Vanda.
    Obrigada pela partilha.

  2. Como ouvinte diário da Comercial fico feliz por saber que tudo não passou de um susto com a Vanda e espero que a vida continue a sorrir-lhe do mesmo modo que me faz sorrir e sentir melhor todos os dias.
    Um enorme beijo e que todas as mulheres que travam esta dura batalha a possam superar e que quem de direito faça com que todas tenham o tratamento devido e necessário para vencer o cancro.
    Força para todas.

  3. Mags (Margarida Moura)

    És uma mulher com um par de cojones bem grd. Espero que celebres o Natal tds os dias. Mereces!!

    (Vou mudar de gineca e vou pedir este exame para ontem. Obrigada por teres partilhado!)

  4. Vanda, parabéns pelo blogue e por este post!

    Sei que gostas de descobrir novos sons – este tem o teu astral 😉

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.